Venezuelanos warao no Rio de Janeiro

Muito foi realizado e está sendo, em prol desses irmãos, que bateram às portas, pedindo auxílio e proteção.

Por Robério Crisóstomo da Silva *

Chegaram à cidade de Engenheiro Pedreira, município de Japeri, Rio de Janeiro, algumas famílias refugiadas da Venezuela que estão adentrando no Brasil por Boa Vista, Roraima. Essas pessoas são indígenas Warao.

Quando chegaram ao centro do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal os encaminhou para um alojamento, mas não deu certo, porque não se adaptaram com as normas e regras do ambiente e foram se alojar embaixo de um viaduto próximo à rodoviária Novo Rio, também no centro.

Chuva, frio e muita umidade foram dificuldades encontradas por estas famílias, uma situação desafiadora e desumana. Até que um casal de ministros da Sagrada Eucaristia pertencente à Paróquia Jesus Ressuscitado na Vila da Penha, Rio de Janeiro, ao passar viu aquelas crianças, idosos e gestantes vivendo naquela realidade e se aproximou, iniciando um diálogo para entender do que se tratava.

Esse casal de ministros falando com o padre José Rosa, pároco da respectiva Paróquia Jesus Ressuscitado levou o caso ao cardeal do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta, o qual os encaminhou para a Caritas da arquidiocese, para que tomasse providências em acompanhar essas famílias.

A Caritas arquidiocesana do Rio de Janeiro assumiu a causa e iniciou o processo de acompanhamento, dando assistência desde as necessidades básicas, às mais emergenciais. Foi diante dessa realidade que esse casal ofereceu uma residência localizada no bairro Teófilo Cunha em Engenheiro Pedreira, onde está localizada também uma capela dedicada a São Brás, pertencente à Paróquia Senhor do Bonfim. Em seguida, essas famílias foram encaminhadas para essa residência onde permanecem até hoje.

O bispo da diocese de Nova Iguaçu, Dom Gilson Andrade entrou conosco na Paróquia Senhor do Bonfim, pedindo que tomássemos conhecimento da presença dessas famílias refugiadas warao que estavam residindo em uma casa no bairro.

Apresentei a realidade ao Conselho Pastoral Paroquial, notificando que a pedido da Igreja diocesana do Rio de Janeiro e de Nova Iguaçu, a paróquia acompanhasse essas famílias. Foram tomadas várias providências, vários leigos da paróquia se mobilizaram e foram acionadas as várias secretarias da prefeitura de Japeri para somar forças e assim dar assistência a esses irmãos que no momento estavam necessitando de acompanhamento médico, alimentação, higiene, educação, vestuário etc.

Muito foi realizado e está sendo, em prol desses irmãos, que bateram às portas, pedindo auxílio e proteção. Nossa missão é acolhê-los incluí-los, pois somos todos uma família, e devemos dar testemunho da fé que muitas vezes professamos de que cremos em Deus que é Pai e foi quem criou todas as coisas para a nossa sobrevivência. Várias iniciativas foram feitas para que a vida que é dom de Deus possa ser cuidada, defendida e amada, pois trata-se de causa humanitária que requer a nossa participação.

* Robério Crisóstomo da Silva, imc, é pároco em Senhor do Bonfim, Engenheiro Pedreira, Japeri, RJ.

Conteúdo Relacionado