José Allamano e a “Missão em saída” – parte 2

O desenvolvimento da missão Ad Gentes no Bem-aventurado José Allamano não foi fruto de improvisação, mas o resultado de um conjunto formado por muitos elementos. Ele foi obrigado a superar muitas dificuldades e incongruências do seu tempo, mas tinha o olhar centrado em Jesus Cristo.

Por Lawrence Ssimbwa*

(Leia aqui a parte 1)

É verdade que qualquer obra necessita inspiração e inspiradores. A Missão Ad Gentes em José Allamano foi inspirada em vários modelos missionários. Conheceu os modelos da Missão em Saída tanto por contato pessoal como por escritos. São José Cafasso foi o primeiro modelo significativo de Allamano. Podemos encontrar o espírito missionário deste santo em sua catolicidade, ou seja, o espírito missionário como o mover-se até todos com um zelo apostólico incansável. São João Bosco não deixou de inspirar Allamano. Ele foi aluno do oratório deste santo. Além disso, observava as expedições missionárias que saiam com tanta solenidade de Turim para as missões. Esses envios missionários deixaram muita inspiração no ser missionário do Bem-aventurado..

O canônico José Ortalda (1814-1880), que foi diretor da propagação da fé em Turim, também inspirou missionariamente Allamano. Era um sacerdote repleto de grande criatividade e espírito missionário. Promoveu muitas publicações, exposições e loterias com o fim de animar missionariamente a Igreja local de Turim. De 1851 a 1880 fez uma forte animação missionária e nesse tempo Turim e o Piemonte se tornaram um grande centro de irradiação da ideia missionária que sem dúvida influenciou na formação missionária do Bem-aventurado Allamano. Junto a ele também está o cardeal Guillermo Massaia que não foi só um modelo missionário, mas também lhe deu uma ideia sobre a missão na África, pois havia desempenhado seu apostolado missionário por 33 anos em Kaffa (Etiópia). José Allamano o conheceu quando ainda era estudante no oratório de Dom Bosco. Ele estava acostumado a seguir frequentemente todas as notícias missionárias sobre ele e as missões na Etiópia através dos seus escritos. Posteriormente, o visitou em Roma quando ele voltou da Etiópia, motivado pelo desejo de absorver tudo o que podia da realidade missionária etíope, onde iriam seus futuros missionários para a missão Ad Gentes.

O Bem-aventurado José Allamano, exercendo a caridade de pai de missionários e missionárias da Consolata, deu algumas recomendações para o êxito da Missão em Saída. Algumas delas:

Interesse e carinho pela cultura

Uma das recomendações de José Allamano para o êxito da missão Ad Gentes é a preocupação pela cultura do povo para o qual são enviados seus missionários e missionárias. É importante destacar que a cultura tem a ver com o conjunto de sentidos e significações que informam sobre a vida de um povo. Se a cultura não é levada em conta, a evangelização se torna sem sabor, se é ignorada, o Evangelho se torna algo alheio para a população. Se há um desprezo pela cultura do povo, seguramente o Evangelho, que é uma Boa Notícia, perde seus contornos de “boa” e só é percebido como uma notícia a mais entre tantas outras. O Bem-aventurado José Allamano exortava seus filhos e filhas a que não ignorassem a cultura dos povos para onde eram enviados. Ele os convidava a compreender o núcleo da cultura que se manifestava nos costumes, nos provérbios diários, nos valores etc. A compreensão da cultura sempre ajuda a levar em conta a dimensão social das pessoas. A aproximação da realidade social visa a realidade pastoral, as necessidades da comunidade e serve de incentivo para formular as respostas aos problemas encontrados, por isso, não podemos ignorar a parte cultural da comunidade para onde os missionários e missionárias são enviados.

Estudo dos idiomas

É comum que os missionários e as missionárias sejam enviados a lugares com idiomas e culturas diferentes dos seus. Diante disto, o Bem-aventurado José Allamano tem algo para lhes dizer. “Lhes recomendo particularmente o estudo e prática dos idiomas, para poderem falar e comunicar com a gente” (José Allamano, Así los quiero, p. 92). Insistia no estudo das línguas porque essa é uma condição para a compreensão da cultura e da vida concreta do povo para o qual somos enviados.

Contra os apegos

José Allamano exortava os missionários e as missionárias a levar em conta os elementos que podiam ser obstáculos para responder afirmativamente à vocação Ad Gentes: os apegos. Na sua pedagogia missionária, sempre lhes convidava a adotar uma atitude de desapego. Os apegos são laços com o mundo próprio que criam dificuldade para nos movermos além de nossas fronteiras. A pedagogia missionária de José Allamano nos chama a relativizar esses apegos que às vezes parecem imprescindíveis em nossas vidas: apego à família, à própria cultura, às comodidades, à própria vontade etc. Sabemos que não é fácil praticar isso, mas o desapego a essas realidades é uma forma de renúncia exigida para realizar a Missão em Saída.

A Santidade

O Bem-aventurado José Allamano propôs a santidade como critério importante para realizar exitosamente a Missão em Saída. Sua famosa frase diz tudo: “primeiro nossa santificação, depois a conversão dos outros. Missionários e missionários sim, mas santos” (José Allamano, Así los quiero, p. 40).  A santidade desejada por ele para acompanhar os missionários e as missionárias da Consolata tem a ver com fazer bem as coisas de maneira superlativa. A santidade faz com que as pessoas possam ver Jesus na vida dos missionários. “Quem me vê, também vê ao Pai” (Jn 14,9). Por meio deste testemunho daqueles que evangelizam, provoca-se a conversão das pessoas, pois quanto mais íntima for a amizade com Jesus, mais podemos esperar a intervenção da sua graça.

Conclusão

A Missão Ad Gentes é o carisma que os missionários e as missionárias da Consolata recebemos e herdamos do Bem-aventurado José Allamano, nosso pai fundador. Esse espírito allamaniano se manifesta constantemente através da entrega dos missionários e missionárias dispersos por vários países do mundo. Pois, a Missão em Saída constitui nossa identidade, porque somos consagrados para a evangelização dos povos.

* Lawrence Ssimbwa, imc, é missionário em Buenaventura (Colômbia).

Conteúdo Relacionado