Um pobre Lázaro! Saudação a um amigo bispo e a um bispo amigo

Ofertas no dia do nascimento de Buda, visita ao Templo de Kwan su sa.

Alguém abre a porta e sobe as escadas, uma voz é ouvida: “Eu sou um pobre Lázaro”. E nós respondemos: “Olá, Lázaro, suba e faremos um café”.

Por Gian Paolo Lamberto *

Mas de quem estamos falando? Do Lazarus, naturalmente, You Heung Sik Lazarus, o arcebispo da diocese de Dae Jeon na Coreia do Sul, recentemente nomeado pelo Papa Francisco como novo Prefeito da Congregação para o Clero. Nós, missionários da Consolata o conhecemos há muito tempo, desde que ele era ‘simples’ professor de dogmática no seminário da diocese. Podemos conversar com ele com simplicidade e familiaridade. Claramente, se houvesse coreanos, seria impensável comportar-se assim, pois aqui os mesmos sentimentos têm que ser expressos de uma maneira completamente diferente. Mas, qualquer que seja a cultura, é assim que ele é: sempre sorridente, afável, ele sabe fazer amizade com todos.

Os nossos missionários na Mongólia e o bispo de Ulaan Baatar, Dom Giorgio Marengo, IMC, o conhecem bem. De fato, por muitos anos, Dom Lazarus enviou alguns sacerdotes de sua diocese à Mongólia como Fidei Donum, e quando ele os visitava, também se encontrava com nossos missionários IMC que trabalham lá.

Quando estávamos em dificuldades porque precisávamos de uma nova casa para o Centro de Diálogo Inter-religioso aqui na Coreia do Sul, ele nos recebeu de braços abertos, dizendo: “Nossa diocese precisa muito de consolo, e os Missionários da Consolata são bem-vindos” e depois “Não se preocupem com o terreno onde a nova casa será construída, o Senhor já a escolheu…só depende de vocês encontrar o lugar”.

Dom Lazarus foi por um bom tempo presidente da Cáritas Coreia e recentemente da Comissão para as causas dos santos coreanos. Através de seus esforços, conseguiu obter o patrocínio da UNESCO para a celebração do bicentenário do nascimento do Padre Kim Dae Geon Andrea, o primeiro sacerdote e mártir da Coreia, que começou em 2020 e continua este ano. O Bispo Lazarus também gostaria de ter completado o processo de beatificação de Choi Yang Eop Thomas, o segundo padre coreano. Este sacerdote não foi um mártir, mas viajou incansavelmente pelo país, proclamando o Evangelho e fortalecendo os cristãos e, como um grande exemplo de dedicação apostólica, morreu depois de esgotar todas as suas forças no ministério.

Coronavírus e vacinas

Dom Lazarus pensou no início do ano: “Fala-se muito em coronavírus e nas vacinas, mas como os países pobres poderão comprar vacinas”? Assim, ele lançou uma campanha em nossa diocese para levantar fundos para permitir que os pobres pudessem comprar vacinas e enviou o dinheiro diretamente ao Papa Francisco. A ideia repercutiu tanto que outras dioceses e várias associações laicas quiseram se envolver. Basta pensar que os trabalhadores estrangeiros que são pastoralmente atendidos por nossos padres em Tong Du Cheon, de sua pobreza, quiseram doar o equivalente a 250 euros. E agora a arrecadação de fundos já alcançou um milhão de dólares.

Lazarus é um homem ocupado que sabe como aproveitar as oportunidades. Em 2014, por ocasião da Jornada da Juventude Católica Asiática, realizada aqui em Tae Jeon, ele teve a boa ideia de escrever ao Papa e convidá-lo a vir à Coreia. O Papa Francisco acolheu o seu pedido, começando sua visita ao país a partir de nossa diocese de Dae Jeon, que tem o maior número de santuários de mártires na Coreia.

Dom Lazarus é recepcionado pelo Padre Stefano na Casa Geral IMC em Roma. Foto: Jaime C. Patias
Prefeito da Congregação do Clero

E então, no dia 11 de junho deste ano, um surpresa! O Papa Francisco o nomeou Prefeito da Congregação do Clero. Grande glória para a Igreja coreana, e também para a Igreja na Ásia que agora tem dois representantes trabalhando nos dicastérios da Santa Sé. Para nós é quase como se um pequeno pedaço da Consolata tivesse entrado no Vaticano. Mas sabemos que Lázaro ainda tem alguns sonhos em sua gaveta. Ele tem um grande interesse na “sinodalidade”, para além do que pensa o Papa, que ele ama muito. Mas no sentido de uma participação “coral” da Igreja nas decisões, onde todos podem se expressar livremente e contribuir com respeito ao Magistério. O outro grande sonho seria garantir que o Papa Francisco pudesse fazer uma visita apostólica à Coreia do Norte.

(Ao chegar em Roma, no último dia 30 de julho, Dom Lazarus foi recebido na Casa Generalizia dos Missionários da Consolata onde ficará hospedado por algum tempo no início do seu novo trabalho na Santa Sé. Ele continua sorridente, amigo e sentindo-se em casa).

Desejamos que Dom Lazarus leve seu sorriso, sua capacidade de ser amigo de todos e sua afabilidade aos corredores do Vaticano, para que seus mais belos sonhos se tornem realidade, e para que, como na diocese de Tae Jeon, ele tem sido pai de seus sacerdotes, ele possa agora também ser pai de todos os sacerdotes da Santa Igreja no mundo.

* Gian Paolo Lamberto, IMC, é missionário italiano na Coreia do Sul.

Conteúdo Relacionado