A Igreja Católica no Sudão

13 de janeiro de 2022
Santa Josefina Bakhita, nascida no Sudão

A primeira presença chega pelos missionários vindos do Egito nos primeiros séculos. O cristianismo é aniquilado por volta do ano 1600. Foi retomada a evangelização no século XIX.

Por Fernando Altemeyer

Com uma superfície de 1.844.797 quilômetros quadrados, Sudão é o maior país em extensão do continente africano. Faz fronteiras com o Egito, Sudão do Sul, Líbia, Tchad, República Centro-africana, Etiópia e Eritreia.  As línguas faladas são árabe, inglês, dinka, toposa, bari, mabane, komane, Ndélé e duzentos dialetos. A capital é Cartum, com 5,2 milhões de habitantes. A taxa de fecundidade do Sudão é de 4,72 filhos por mulher, a expectativa de vida é de 62 anos e a população urbana é de 40%.

A agricultura emprega a maioria dos sudaneses, sendo que a terra entre os dois braços do Nilo é a principal região agrícola do país, no cultivo de sorgo, painço, cana-de-açúcar, amendoim, sementes de gergelim, algodão.  Há criação de ovelhas, cabras, bovinos e camelos.

Cerca de três milhões de sudaneses perderam a vida nas várias guerras das últimas décadas, particularmente na guerra civil na região de Darfour.

Atualmente com 45.187.000 habitantes, dos quais 1.097.000 católicos, ou seja, 2,4%, segundo as estatísticas publicadas pela Santa Sé.

Dados Eclesiais

No Sudão há três circunscrições eclesiásticas: uma arquidiocese, uma diocese e um território para os fieis sudaneses de rito siríaco a dependência direta com a sede do patriarcado. O episcopado conta com seis bispos, sendo um cardeal arcebispo emérito, um arcebispo, um núncio, um bispo diocesano, um auxiliar e um emérito. Está vacante o território dependente do Patriarcado (rito siríaco).

Bispos do Sudão e Sudão do Sul em visita “ad Limina Apostolorum”  – Foto: Vatican Media

A organização pastoral se faz por meio de 45 paróquias e 1.279 centros de atendimento pastoral. São ministros do povo de Deus 407 sacerdotes (277 do clero secular e 130 do clero religioso), cinco diáconos permanentes, 245 seminaristas, 82 irmãos, 357 religiosas consagradas, 4.637 catequistas.

Curiosidades

O norte do Sudão era conhecido como Núbia; a região foi dominada algumas vezes pelo antigo Egito. Do segundo milênio a.C. até o ano 300 d.C. a Núbia foi conhecida como reino de Kush (ou Cuche).

A primeira presença chega pelos missionários vindos do Egito, com presença em Dongola. O cristianismo é aniquilado por volta do ano 1600. É retomada a evangelização no século XIX. O Sudão foi conquistado pelo Egito em 1820.

Atuou como Vigário Apostólico para a África Central, entre 1872 e 1881, o bispo italiano Daniel Comboni, eminente missionário, canonizado em 2003. Torna-se protetorado colonial inglês em 1898. No ano 1931 contava 40 mil católicos no país. Um primeiro Vicariato apostólico da África Central foi erigido em 03 de abril de 1846 que é a atual sede metropolitana de Cartum.

Os católicos foram segregados na região sul que terminará por conforma-se como o Sudão do Sul. O norte será totalmente islamizado. Boa parte do trabalho missionário é obra dos padres vindos de Verona, Itália.

O papa São João Paulo II visitou o país em fevereiro de 1993. A renúncia do primeiro-ministro do Sudão Abdalla Hamdok em 02 de janeiro de 2022, após uma série de fracassos em suas tentativas de reunir apoio político, seguida de meses de protestos violentamente reprimidos pelas forças de segurança colocou o país em nova opressão dos militares.

Mulher e criança sudanesa – Foto: Portas Abertas

As religiões no Sudão estão representadas pelos muçulmanos com 90%, os protestantes e anglicanos são 3%, religiões tradicionais são 2,8% e os sem religião 1%.

Padroeira:

Santa Josephina Bakkhita, nascida no Sudão.

Cardeal:

Gabriel Zubeir Wako, arcebispo Emérito de Khartoum, com 80,86 anos, cardeal não eleitor, criado pelo papa São João Paulo II em 21/10/2003.  

Nenhum bispo presente ao Concílio Vaticano I de 08/12/1869 a 20/10/1870:

Bispos participantes do Concílio Vaticano II de 1962 a 1965. Hoje falecidos.

  1. Agostino Baroni, M.C.C.I. †, Vigário Apostólico de Khartoum; Idade: 58.9
  2. Edoardo Mason, F.S.C.J. †, Vigário Apostólico de El Obeid; Idade: 61.8
  3. Joseph Elias Tawil †, Vigário Patriarcal do Egito e Sudão para fieis do rito greco-Melquita; Idade: 51.7

* Perfil da Igreja Católica da República do Sudão – Jumhuriyat as-Sudan. Pesquisa preparada para o Portal da Consolata pelo Prof. Dr. Fernando Altemeyer Junior – Departamento de Ciências Sociais da PUC-SP. fajr@pucsp.br 

Fontes da pesquisa: www.vatican.va; http://www.globalreligiousfutures.org/countries/sudan; http://www.catholic-hierarchy.org/country; http://cardinals.fiu.edu/1873-2019-country.htm; https://secam.org/

Conteúdo Relacionado