A Igreja Católica no Marrocos

Papa Francisco no Marrocos em 2019: toda a viagem em um minuto

Entre a comunidade cristã vivendo hoje no Marrocos pode-se recensear perto de noventa nacionalidades, particularmente de estudantes de outros países da África subsaariana. O Papa Francisco visitou o país em 30 e 31 de março de 2019.

Por Fernando Altemeyer *

A superfície do Marrocos é de 446.550 quilômetros quadrados. É um país montanhoso ao norte e desértico ao sul, que faz fronteiras com Argélia, Saara Ocidental e Espanha (os enclaves). Abriga dois enclaves espanhóis: Ceuta e Melila.

A capital é Rabat onde moram 2.500.000 habitantes. A capital econômica é Casablanca. As línguas faladas são árabe, hassania, darija tamazight, francês e berbere. A taxa de fecundidade é de 2,31 filhos por mulher, a esperança de vida é de 72,5 anos e a população urbana é de 58%. Possui grandes minas de prata, fosfato, chumbo e zinco.

A população total é de 37.021.000 habitantes, sendo 25 mil católicos, ou seja, 0,07%.

Dados Eclesiais

Atualmente o Reino do Marrocos possui duas arquidioceses Rabat e Tanger. A Arquidiocese de Tanger está vacante. Há quatro arcebispos no país: dois arcebispos na ativa, um arcebispo emérito e um núncio apostólico.

Todo o país tem 35 paróquias para o atendimento pastoral, dez orfanatos, duas cassas para anciãos, sete ambulatórios, um hospital, 34 escolas e vários centros de atendimento a imigrantes.

Paróquia de Saint Louis, que acolhe migrantes – Foto: Arquivo IMC

São atuantes 46 presbíteros (15 diocesanos e 31 religiosos), cinco membros de institutos seculares, dez irmãos, 222 religiosas, 58 catequistas.

Curiosidades

A história da presença cristã remonta ao século terceiro da era cristã. É notificada a presença de bispos católicos do Marrocos no Concílio de Cartago em 484. A vida cristã resistiu durante o período dos visigodos e mesmo sob domínio dos árabes a partir do ano 700. Foi criado o Vicariato Apostólico em 28/11/1630. Em seguida dá-se a nomeação do arcebispo Diego Ortega y Escacena, OFM em 28/08/1693. A hierarquia foi restabelecida em 1955.

Os muçulmanos são a imensa maioria da população totalizando 98%. Os sunitas formam a maioria em 67%, seguidos dos muçulmanos não-denominacionais com 32,9%. Existe cerca de 3.000 a 8.000 muçulmanos xiitas, a maioria deles oriundos do Líbano e Iraque, mas cidadãos convertidos. Seguidores de várias ordens muçulmanas sufis em todo o Magreb e África Ocidental empreendem peregrinações anuais conjuntas ao país.

Ait Ben Haddou, Marrocos – Foto: Go Marruecos Tours

Entre a comunidade cristã vivendo hoje no Marrocos pode-se recensear perto de noventa nacionalidades, particularmente de estudantes de outros países da África subsaariana. O papa São João Paulo II visitou o país em agosto de 1985.  Papa Francisco visitou o país em 30 e 31 de março de 2019.

Cardeal:

Cristóbal López Romero, S.D.B., Arcebispo de Rabat (espanhol de 69,23 anos). Criado cardeal pelo papa Francisco em 05/10/2019. Cardeal eleitor.

Nenhum bispo presente ao Concílio Vaticano Primeiro (1869-1870).

Bispos presentes ao Concílio Vaticano Segundo (1962-1965). Hoje falecidos:

  • Francisco Aldegunde Dorrego, O.F.M. †, Arcebispo de Tanger; Idade: 69.5
  • Louis-François-Bienaimé-Amedée Lefèvre, O.F.M. †, Arcebispo de Rabat; Idade: 75.2
Abertura dos missionários da Consolata

Nos últimos anos os Missionários da Consolata na Espanha procuravam maior envolvimento no trabalho de acolhida aos imigrantes, opção missionária da congregação na Europa.

Padre Edwin Osaleh visita Marrocos para estudiar apertura – Foto: Arquivo IMC

Após um processo de discernimento e estudo, a congregação abriu uma comunidade em Oujda, no Marrocos, a convite do Cardeal Cristóbal Lopez. O objetivo da missão é acompanhar os migrantes nesta cidade no extremo leste do país, a cerca de 15 km da fronteira com a Argélia e 60 km ao sul do Mar Mediterrâneo.

No momento encontram-se em Oujda os padres Edwin Osaleh e Francesco Giuliani. Um terceiro missionário da Consolata deve unir-se a eles em breve.

Oujda é um lugar de passagem para muitas pessoas de vários países da África Subsaariana, que pretendem chegar à Europa, depois de terem atravessado o deserto e sofrido várias dificuldades.

* Perfil da Igreja Católica do Reino do Marrocos – Pesquisa para o portal da Consolata preparada pelo Prof. Dr. Fernando Altemeyer Junior – Departamento de Ciências Sociais da PUC-SP. Email: fajr@pucsp.br

Fontes da pesquisa: www.vatican.va; http://www.catholic-hierarchy.org/country; http://cardinals.fiu.edu/1873-2019-country.htm; https://secam.org/

Conteúdo Relacionado