A Igreja Católica em Ruanda

4 de novembro de 2021
Restos mortais de 5.000 pessoas assassinadas no genocídio de 1994, enquanto buscavam refúgio nesta igreja de Ntrama, continuam no lugar – Foto: Scott Chacon (Flickr)

A Ruanda é um dos menores países da África, mas densamente povoado, com 47% da população professando a fé católica.

Por Fernando Altemeyer *

Com uma superfície territorial de 26.378 quilômetros quadrados, Ruan faz fronteiras com Burundi, Rep. Dem. do Congo, Uganda e Tanzânia. Ligeiramente abaixo da linha do Equador, no país se falam inglês, francês, kiswahili e kiniarwanda. A capital do país é Kigali, com 966 mil habitantes.

A composição étnica é de 80% hutus, 19% tutsis e pigmeus 1%. Tem uma taxa de fecundidade de 3,52 filhos por mulher, uma expectativa de vida de 43,92 anos, e uma população urbana de 20,14%. O povo hutu é agricultor (do ramo Bantu) e os tutsis são pastores (ramo nilótico). Grande produtor de flores, chá e café, também possui minas de estanho.

A Ruanda é um dos menores países da África, mas densamente povoado. Atualmente são 13.218.000 habitantes, dos quais 6.121.000 católicos, ou seja, 47% da população, segundo as estatísticas publicadas pela Santa Sé.

Em 1994 ocorre um genocídio que faz mais de 800 mil mortos entre tutsis e, especialmente, de hutus. Entre os mortos contam-se três bispos e um quarto do clero ruandês. Dois milhões de hutus fogem para a República Democrática do Congo, ex-Zaire. Muitos clérigos e religiosas participaram diretamente dos massacres. O papa Francisco, em 2017, pediu perdão por aqueles membros da Igreja que cederam ao ódio e à violência, traindo a própria missão evangélica.

Dados Eclesiais

Há nove circunscrições eclesiásticas, sendo uma arquidiocese e oito dioceses. O episcopado conta com treze bispos, sendo um cardeal arcebispo, um arcebispo emérito, sete bispos diocesanos e quatro eméritos. Estão vacantes a diocese de Kibungo e a nunciatura apostólica.

A organização pastoral se faz por meio de 162 paróquias e 364 centros de atendimento pastoral. Ministros do povo de Deus: 743 sacerdotes (590 padres do clero secular e 153 membros do clero religioso), 553 seminaristas maiores, 210 irmãos, 102 membro de instituto secular, 56 missionários leigos, 1819 religiosas consagradas, 4.136 catequistas.

Os muçulmanos somam 2% da população, os irmãos protestantes e os anglicanos 35%, adventistas 11,01%, crenças tradicionais 1%, sem religião 3%.

Curiosidades

A evangelização católica inicia-se com a presença dos Padres Brancos em Save, no sul de Ruanda, no ano 1900. O Vicariato Apostólico é criado em 25 de abril de 1922. Foi nomeado como Vigário Apostólico, o francês Mons. Leon Paul Classe, M.Afr. que exerce seu ministério entre 1922 e 1945 quando falece. Nasce a Congregação autóctone dos irmãos Josefitos.

Os primeiros padres ruandeses são ordenados em 1917. Entre 1930 e 1940 há conversão massiva de Tutsis. Em 1959 a hierarquia católica é estabelecida.  O papa São João Paulo II visitou o país em setembro de 1990.

Antoine Kambanda, Arcebispo de Kigali, primeiro cardeal de Ruanda (Rwanda)  – Foto: Vaticannews

Cardeal

Antoine Kambanda, Arcebispo de Kigali, nascido em 10/11/1958, diocesano. Idade atual: 62,92 anos. Criado em 28/11/2020 pelo papa Francisco. Cardeal eleitor.

Nenhum bispo presente ao Concílio Vaticano I de 08/12/1869 a 20/10/1870.

Bispos participantes no Concílio Vaticano II de 1962 a 1965.

  1. Aloys Bigirumwami †, Bispo de Nyundo; Idade: 60.7
  2. André Perraudin, M. Afr. †, Arcebispo de Kabgayi; Idade: 50.9
  3. Jean-Baptiste Gahamanyi †, Bispo de Butare; Idade: 45.7
  4. Joseph Sibomana †, Bispo de Ruhengeri; Idade: 50.4

* Perfil da Igreja Católica da República de Ruanda (Rwanda) – Republique Rwandaise. Pesquisa preparada para o Portal da Consolata pelo Prof. Dr. Fernando Altemeyer Junior – Departamento de Ciências Sociais da PUC-SP. Email: fajr@pucsp.br

Fontes da pesquisa: www.vatican.va; http://www.catholic-hierarchy.org/country; http://cardinals.fiu.edu/1873-2019-country.htm; https://secam.org/

Conteúdo Relacionado