“Vem e verás”. Mensagem do Papa para o 55º Dia Mundial das Comunicações

15 de maio de 2021

Movido pela paixão e pelo desejo de ver e de contar a realidade, o jornalista tem a coragem de ir aonde ninguém vai. Para fazer isso, como o pastor deve sentir o “cheiro das ovelhas” e “gastar as solas dos sapatos”

Por Redação

“Vem e verás” (Jo 1, 46). Comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são. Este é o tema da Mensagem do Papa Francisco para o 55º Dia Mundial das Comunicações (DCMS), celebrado neste Domingo, 16 de maio, Festa da Ascensão do Senhor.

A Mensagem que foi divulgada na memória litúrgica de São Francisco de Sales, em 24 de janeiro de 2021, está em continuidade com a anterior – “Para que possas contar e fixar na memória” (Ex 10,2). A vida se faz história – porque, afirma o Papa, “para contar a verdade da vida que se faz história é necessário sair da confortável presunção do ‘já conhecido’ e pôr-se em movimento.

Este dinamismo parte do convite “Vem e verás” (Jo 1, 46), que Filipe dirige a Natanael, que o Papa define como “método de toda autêntica comunicação humana”, eficaz boca a boca que se põe a caminho da busca da Verdade e maneira com a qual a fé foi comunicada desde o tempo de Jesus até hoje.

O “ir e ver” é o chamado a uma comunicação límpida e honesta, que sabe interpretar a verdade dos fatos e das pessoas, sem se contentar com uma informação pré-concebida, “palaciana”, auto-referencial.

Na Mensagem, o Papa Francisco fala da profissão do jornalista que, movido pela paixão e pelo desejo de ver e de contar a realidade, tem a coragem de ir aonde ninguém vai, de chamar a atenção para situações difíceis que ficariam esquecidas. Para fazer isso, como o pastor deve sentir o “cheiro das ovelhas”, o jornalista deve “gastar as solas dos sapatos”: descer à rua para verificar pessoalmente, estar com as pessoas, escutar as testemunhas e recolher detalhes “do dia-a-dia” que deem credibilidade às notícias.

Não falta a atenção às “ferramentas da profissão”: as redes sociais, que multiplicam as possibilidades de partilha, a tecnologia digital que garante a pontualidade, a rede, instrumento formidável para chegar às pessoas.  Mas uma informação gerada nas redações, diante de um computador, não basta: “Todo instrumento só é útil e precioso se nos impulsiona a ir e ver coisas que de outra forma não saberíamos, se coloca, na rede, conhecimentos que de outra forma não circulariam, se permite encontros que, de outra forma, não aconteceriam”.

O “Vem e verás” descrito pelo Papa não é apenas para profissionais – jornalistas, cinegrafistas, editores, diretores – é um método para todos, porque é de todos a responsabilidade pelo que se comunica, se verifica e se partilha das informações: «Todos somos chamados a ser testemunhas da verdade: a ir, ver e partilhar».

Leia a íntegra da Mensagem para 55º Dia Mundial das Comunicações