Papa: pedir a graça da esperança para superar os desertos do mundo

5 de dezembro de 2021
Missa celebrada m Atenas no “Megaron Concert Hall”. Fotos: Vatican News

Cerca de dois mil fiéis participaram da primeira e única missa que Francisco preside em sua visita à Grécia. “Ter autoridade, ser cultos e famosos não constituem garantias para agradar a Deus. Ao invés, João prega no deserto, o que constitui para nós uma mensagem encorajadora.”

Por Bianca Fraccalvieri

Os fiéis de Atenas se uniram a seu pastor na celebração eucarística esta tarde no “Megaron Concert Hall” – a única missa pública presidida pelo Papa na Grécia. Na homilia, Francisco comentou o Evangelho deste II Domingo do Advento, que apresenta a figura de São João Batista.

Desertos existenciais

O Pontífice ressaltou dois aspectos desta mensagem: deserto e conversão. O evangelista Lucas fala de circunstâncias solenes e de grandes personagens da época e se esperava que a Palavra de Deus se dirigisse a um deles, mas não. Passa-se inesperadamente para o deserto, para um homem desconhecido e solitário. De fato, acrescentou o Papa, ter autoridade, ser cultos e famosos não constituem garantias para agradar a Deus. Ao invés, João prega no deserto, o que constitui para nós uma mensagem encorajadora:

“Agora como então, Deus volta o seu olhar para onde dominam tristeza e solidão. Podemos experimentá-lo na vida: com frequência Ele não consegue tocar-nos enquanto estamos no meio dos aplausos e só pensamos em nós mesmos; alcança-nos sobretudo nas horas da provação.”

É nos nossos desertos existenciais que Ele nos visita, quando as situações parecem irresgatáveis, sem saída. “Assim, não há lugar que Deus não queira visitar.”

“Portanto, caríssimos, não temais a pequenez, porque a questão não é ser pequenos e poucos, mas abrir-se a Deus e aos outros.”

Ir além, porque Deus é maior

O segundo aspecto é a conversão. Falar de conversão, disse Francisco, pode parecer difícil e gerar tristeza, como se fosse fruto somente do nosso empenho. Pode-se sentir frustrado em querer mudar, mas não conseguir. Mas em grego, o verbo converter tem outro significado, que é precisamente “pensar além”.

Isto é, ir além do nosso eu e da nossa pretensão de autossuficiência. “Deus é maior”, recordou o Papa:

“Então converter-se significa não dar ouvidos ao que enterra a esperança, a quem repete que nada mudará jamais na vida; é recusar-se a acreditar que estamos destinados a afundar nas areias movediças da mediocridade.”

Pelo contrário, é preciso confiar Nele, porque é Deus o nosso além, a nossa força. Tudo muda se deixarmos a Ele o primeiro lugar.

“Eis a conversão: ao Senhor, basta a nossa porta aberta para entrar e fazer maravilhas, assim como Lhe bastaram um deserto e as palavras de João para vir ao mundo.”

O Pontífice conclui convidando os fiéis a pedirem a graça da esperança, a graça de acreditar que, com Deus, as coisas mudam.

“Peçamos a graça da esperança, porque é a esperança que reanima a fé e reacende a caridade; porque é de esperança que hoje estão sequiosos os desertos do mundo.”

Deixo a Grécia, mas não os gregos!

No final da celebração, o Papa quis manifestar sua gratidão a todos os que prepararam a visita, pois na segunda-feira, o Pontífice volta ao Vaticano.

“Amanhã deixarei a Grécia”, disse o Papa, mas não os gregos. “Levar-vos-ei comigo na memória e na oração.” 

Fonte: Vatican News

Conteúdo Relacionado