Morre Dom Luis Augusto Castro, promotor da paz na Colômbia

Dom Luis Augusto Castro durante o Congresso Missionário Americano -CAM 5, Santa Cruz de la Sierra na Bolívia em julho de 2017. Foto: Jaime C. Patias

Faleceu aos 80 anos de idade, nesta terça-feira, 2 de agosto, na Colômbia, o Arcebispo Emérito de Tunja, Dom Luis Augusto Castro Quiroga, Missionário da Consolata colombiano. O bispo tinha sido hospitalizado na Clínica Marly de Chía, Cundinamarca, devido a complicações respiratórias.

Por Redação *

“Bem-aventurados os que promovem a paz, pois eles serão chamados filhos de Deus” (Mt 5,9). Missionário e grande Pastor, contribuiu com importantes reflexões missiológicas na América Latina. Contudo, Dom Luis Augusto Castro é mais recordado como um mensageiro da paz, um bispo que sempre trabalhou pela paz na Colômbia. Durante 20 anos liderou e acompanhou importantes processos que conduziram a grandes realizações na área da paz.

Recordava sempre o que uma vez ouvira da boca de uma criança: “Deus é um pai que nos ama com o coração de mãe”.

Era um homem de sensibilidade humana e divina que amava a humanidade e a Igreja trabalhando sempre para cumprir o mandato do Senhor. “Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda criatura! (Mc, 16,15)

Sobre a sua nomeação como bispo afirmou: “Está comprovado que se perguntarem a um santo se quer ser bispo, imediatamente responde que não. Quando me pediram se eu queria ser bispo, imediatamente respondi que sim”.

Como bispo de San Vicente del Caguán e Puerto Leguizamo em Putumayo, desempenhou um papel fundamental em 1997 para assegurar a libertação de 60 militares raptados pela guerrilha das FARC. Durante o governo de Juan Manuel Santos, facilitou as instalações para as mesas de trabalho, servindo de fiador para o cumprimento dos compromissos assumidos.

Confira vídeo sobre a vida e o ministério de Dom Castro

Acompanhou a libertação de 85 reféns e serviu como Presidente da Conferência Episcopal em 2005 e esteve presente nas conversações de Havana entre o governo da época e as FARC.

Era um contador de histórias, publicou livros, incentivou a criação de meios de comunicação (jornal e televisão), a música e a arte, a criação de escolas, promoveu a formação de lideranças laicais, de seminaristas, do clero e das comunidades em geral.

“Bem-aventurados os que promovem a paz, pois eles serão chamados filhos de Deus”(Mt 5,9). Receba de Deus o prêmio dos justos. Descanse em paz, Dom Luis Augusto Castro.

Entrevista a Dom Luis Augusto Castro feita pelo jornalista Paolo Moiola
Biografia

Nasceu em Bogotá, capital colombiana, em 8 de abril de 1942. Estudou no Colégio San Bernardo dos Irmãos Lassalistas e no seminário menor dos Missionários da Consolata.

Cursou Filosofia na Pontifícia Universidade Javeriana em Bogotá. Fez seu noviciado em Bedizzole e Teologia na Pontifícia Universidade Urbaniana em Roma, Itália.

Emitiu seus votos perpétuos no Instituto dos Missionários da Consolata em 10 de março de 1967, e foi ordenado presbítero em Roma, em 24 de dezembro do mesmo ano. Já sacerdote, realizou uma especialização em Orientação Psicológica na Universidade de Pittsurg, nos Estados Unidos, e obteve doutorado em Teologia na Universidade Javeriana de Bogotá.

Como presbítero, desempenhou os seguintes cargos: vigário cooperador da Paróquia da Catedral e reitor da Universidade da Amazônia em Florencia (1973-1975); diretor do seminário maior de filosofia do Instituto Missionários da Consolata em Bogotá e, simultaneamente, Conselheiro provincial (1975-1978); superior Regional IMC na Colômbia (1978-1981); Conselheiro Geral em Roma (1981-1986).

Dom Castro na celebração da Festa de N. S. Consolata, 20 de junio 2022, Paróquia do bairro Vergel, em Bogotá. Foto: Arquivo IMC Colômbia

Em 17 de outubro de 1986, o Papa João Paulo II nomeou-o bispo titular de Águas Flávias e ordinário do Vicariato Apostólico de San Vicente-Puerto Leguízamo. Sua sagração episcopal ocorreu na Catedral Metropolitana de Bogotá, em 29 de novembro seguinte, presidida pelo Monsenhor Angelo Acerbi, então núncio apostólico na Colômbia, tendo Monsenhor Mario Revollo Bravo, arcebispo de Bogotá, e Monsenhor José Luis Serna Alzate, seu coirmão, como co-consagrantes. Esteve à frente daquele vicariato por doze anos.

Em 2 de fevereiro de 1998, foi designado para a Sé Metropolitana de Tunja, em sucessão ao Monsenhor Augusto Trujillo Arango, que renunciara por atingir o limite etário estabelecido pelo Código Canônico. Tomou posse em 14 de março. Em 15 de outubro de 2012, foi nomeado também administrador apostólico da Diocese de Duitama-Sogamoso, que então caía vacante. Desempenhou esta função até abril de 2015, quando um novo bispo para esta diocese foi eleito na pessoa do Monsenhor Misael Vacca Ramírez.

Dom Castro com o Superior Geral, Padre Stefano Camerlengo e missionários da Consolata em Bogotá durante a Visita Canônica em setembro de 2021.

Foi vice-presidente da Conferência Episcopal da Colômbia de julho de 2002 a julho de 2005, e, a partir de então, presidente, até julho de 2008. Nessa qualidade, participou, em 2007, da Quinta Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe, em Aparecida. Retornou a assumir a presidência da entidade no triênio de 2014-2017.

Em 11 de fevereiro de 2020, teve sua renúncia ao governo da Arquidiocese por atingir o limite de idade aceita pelo Papa Francisco.

* Com informações de diversos meios de comunicação.

Conteúdo Relacionado