Migrantes venezuelanos tentam recomeço na periferia de Boa Vista

Migrantes venezuelanos buscam um futuro melhor na periferia de Boa Vista (RR). Fotos: Jaime C. Patias

Estamos na cidade satélite, periferia de Boa Vista, capital de Roraima, destino de 15 famílias de migrantes venezuelanos que no mês de janeiro deste ano foram removidas da comunidade Ka Ubanoko no terreno que haviam ocupado em fevereiro de 2019.

Por Jaime C. Patias *

“Somos parte das 171 famílias que viviam no Ka Ubanoko. Quando nos tiraram de lá nos organizamos e viemos buscar um futuro melhor no Bairro João de Barro. No início eram 11 famílias, agora são 15 com pelo menos 30 crianças”, explica Tânia Fernandez, uma das coordenadoras do grupo. Casada e com dois filhos, ela é natural de Maturin no Departamento de Monágua na Venezuela e está em Boa Vista há dois anos.

Padre Isaack Mdandile integra a Equipe Itinerante dos Missionários da Consolata que em Boa Vista acompanha a saga dos migrantes fora dos abrigos, em especial os que foram para as periferias ou no interior longe da cidade por causa do preço dos alugueis. Em Roraima hoje existem 16 abrigos construídos pela Operação Acolhida, mas não há mais vagas e nem condições dignas para todos. Muitos migrantes são críticos desse sistema de acolhida, pois não veem futuro neles preferindo buscar outras alternativas à custa de sacrifício.

A experiência do Ka Ubanoko
Tânia Fernandez, uma das mulheres coordenadoras das 15 famílias.

Tânia Fernandez fez parte dos cerca de 600 venezuelanos que em Boa Vista, em fevereiro de 2019, deram origem à comunidade Ka Ubanoko (dormitório comum na língua warao). Ela conta que conseguiram economizar o que ganharam com alguns trabalhos como a coleta de materiais recicláveis, diaristas, serviços vários e da ajuda emergencial do governo brasileiro durante a pandemia de Covid-19. Com suas economias deram entrada em alguns terrenos a 35 km do centro de Boa Vista, propriedade que continuam pagando em parcelas de R$ 200,00 mensais o que é considerado um bom negócio para quem teria de pagar até R$ 600,00 no aluguel.

“Este meu trabalho como liderança eu o considero comunitário, pois procuro chamar a atenção das Instituições para os problemas dos venezuelanos”, diz Tânia com determinação. “Diante da situação precária de algumas famílias com problemas de saúde, falta de alimentação e moradia, aqui contamos com o apoio de organizações e tentamos ajudá-las”. Ela é uma mulher de fé. “Nós não vamos desistir. É preciso resistir com esperança. Temos Deus que está em primeiro lugar. Ele coloca muitas pessoas boas no nosso caminho. Às vezes não temos comida e aí aparece o Padre Isaack com algo, por exemplo. Estamos convencidos de que Deus nunca nos abandona”, confessa aliviada.

Projeto “Orinoco” instalou caixas d’água com tanques para lavar roupa.

No Bairro João de Barro, algumas casas estão sendo construídas lentamente com tijolos e cimento, madeiras, chapas e lonas. Graças ao projeto “Orinoco” foi possível instalar caixas d’água com tanques para lavar roupa, banheiros e fossa sanitária ecológica. A água vem de um igarapé próximo e a energia elétrica foi conectada com um longo cabo. Persistem muitos problemas como o da água potável para o consumo, além dos altos preços da alimentação e do gás. O jeito é procurar lenha para cozinhar.

Distante do centro da cidade, falta transportes para as crianças irem à escola e oportunidades de trabalho. Não é fácil sair às ruas para conseguir o sustento, recolher latas e recicláveis, limpar para-brisa de carros, vender produtos como faziam no passado.

Lentamente os migrantes vão construindo suas casas no novo bairro.
As notícias da Venezuela não são boas

Conversando com as mulheres sobre a situação da Venezuela e as perspectivas para o futuro, elas lamentam que, do país, há muito tempo chegam somente notícias ruins. Risamar Rondon, outra antiga moradora no Ka Ubanoko onde fazia parte da comissão de limpeza, relata que as notícias são “sobre doenças nos familiares, falta de comida e combustível, que ficaram quatro dias sem luz, mortes de familiares e conhecidos. Tudo é muito difícil por lá. Aqui no Brasil queremos que nossos filhos estudem e se formem para terem um futuro melhor”, afirma demonstrando viverem em função dos filhos. Ela mostra a sua casa ainda em construção. “São três peças, banheiro e uma cozinha. Falta muita coisa, mas sobretudo o teto”.

Preservar a memória do Ka Ubanoko

Todos carregam boas lembranças da comunidade que serviu de apoio para os primeiros passos como migrantes no Brasil. Tânia Fernandez lamenta que as 171 famílias não tenham se mudado juntas para um novo terreno e continuarem a experiência. “A convivência com os indígenas foi muito positiva. Temos aprendido muito dos seus costumes e forma de encarar a vida. A cultura indígena é muito boa. Eles são solidários e têm o coração bom, gostam de partilhar. Não são apegados ao material”, destaca ela. “Para lembrar a nossa história eu gostaria de chamar este lugar de Vila Ka Ubanoko. Isso para não esquecer do nosso passado e do que vivemos quando chegamos em Boa Vista”, revela.

Tânia Fernandez e Risamar Rondon com o Padre Isaack da Equipe Itinerante IMC.
Como nasceu o Ka Ubanoko

Tudo começou em fevereiro e março de 2019 quando mais de 600 venezuelanos, dentre os quais, 350 indígenas das etnias warao e eñepa, e 250 não-indígenas ocuparam um grande terreno abandonado pelo antigo Clube do Trabalhador no bairro Pintolândia. Mais tarde chegaram também, alguns indígenas pemon e kariña. Todos estavam fora dos abrigos, muitos nas ruas e praças, outros passando necessidades à sobra de cajueiros no bairro onde até nasceram alguns bebês.

Os missionários da Consolata, por meio da Equipe Itinerante onde já atuaram 15 missionários, acompanharam o grupo desde o início e, juntamente com a diocese de Roraima, instituições e ONGs, sempre deram apoio à comunidade.

A experiência foi uma alternativa à política dos abrigos e mostrou que os migrantes têm capacidade de autogestão e desejam autonomia na organização da sua vida, apesar das dificuldades. Depois de um ano e meio, em plena pandemia, a Operação Acolhida em Boa Vista comunicou a ordem de despejo da comunidade e o fechamento do local. Com algumas negociações eles permaneceram até janeiro de 2021 quando foram obrigados a sair. A alegação foi que o Clube dos Servidores, dono do terreno queria reabilitar o local para atender jovens e adolescentes, mas até hoje não fizeram absolutamente nada no local.

Terreno do Clube dos Servidores que foi ocupado pela comunidade Ka Ubanoko hoje completamente vazio.

Com a dispersão, algumas famílias foram para os abrigos, mas a grande maioria não aceitou essa proposta. Segundo Tânia Fernandez, “ir a um abrigo é o último que se pode fazer como pessoa, como família”. Algumas foram para outros estados, mas a maioria ficou em Boa Vista. Com os alugueis caros, a alternativa foi buscar terrenos na periferia para recomeçar sempre inspirados na experiência de autodeterminação do Ka Ubanoko.

Além do grupo de famílias no Bairro João de Barro encontramos outros grupos no bairro Pérola, Hélio Campos, Alvorada e Pintolândia. Os indígenas warao e alguns eñepa, por sua vez, com ajuda de organizações compraram um pedaço de terra a 40 km de Boa Vista na localidade de Cantá. Eles enfrentaram o sistema dos abrigos: “Não queremos ser tutelados nem obrigados a viver em condições de subordinação”. Lá estão construindo suas casas e organizando uma nova comunidade distante da cidade.

* Padre Jaime C. Patias, IMC, é Conselheiro Geral para América.

Conteúdo Relacionado