Etiópia: Tigray sem ajuda humanitária, faltam alimentos e instalações sanitárias

22 de março de 2022
Conflito em Tigray já fez mais de 2 milhões de deslocados . Foto: PMA/Leni Kinzli

“A situação em Tigray é catastrófica, a região foi isolada do resto do mundo durante 500 dias”, acusa Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da Organização Mundial de Saúde.

“A atenção pública concentra-se principalmente na guerra na Ucrânia, mas até meados de dezembro de 2021, nenhuma ajuda alimentar foi entregue à região norte da Etiópia”, disse Tedros numa conferência de imprensa, acrescentando que quase três quartos das instalações sanitárias avaliadas pela OMS na região foram destruídas e cerca de 40.000 pessoas com VIH não estão a receber tratamento”.

Eu sou de Tigray”, disse Tedros, “e esta crise afeta-me a mim, à minha família e aos meus amigos de uma forma muito pessoal. Mas como Diretor Geral da OMS, tenho o dever de proteger e promover a saúde onde quer que ela esteja ameaçada. E não há lugar no mundo em que a saúde de milhões de pessoas esteja mais em risco do que em Tigray.

Além da grave crise em Tigray, em todo o continente africano, está o problema persistente da pandemia de Covid 19. Atualmente, de acordo com os Centros Africanos de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC África), o número de casos confirmados de Covid-19 em África atingiu 11.287.599.

A agência de saúde da União Africana colocou o número de mortos da pandemia em todo o continente em 250.422 pessoas. O número de pacientes curados até agora é de 10.555.195.

A África do Sul registrou o maior número de casos em todo o Continente, com 3.696.823 casos, seguida pelos dois países do Norte de África, Marrocos e Tunísia, com 1.162.236 e 1.029.762 casos, respectivamente.

Fonte: Agenzia Fides

Conteúdo Relacionado