Dia Mundial do Doente 2024: Mensagem do Papa Francisco

A Santa Sé publicou a Mensagem do Papa Francisco para o 32º Dia Mundial do Doente, celebrado neste dia 11 de fevereiro de 2024, com o tema: “Não é conveniente que o homem esteja só”. Cuidar do doente, cuidando das relações.

A Mensagem do Santo Padre é inspirada no capítulo 2 do Livro do Gênesis (Gn 2,18).

“Faz-nos bem voltar a ouvir esta frase bíblica: «não é conveniente que o homem esteja só». É pronunciada por Deus ao início da criação, revelando-nos assim o significado profundo do seu projeto para a humanidade, mas ao mesmo tempo também a ferida mortal do pecado, que se introduz gerando suspeitas, fraturas, divisões e consequente isolamento. Este atinge a pessoa em todas as suas relações: com Deus, consigo mesma, com o outro, com a criação. Tal isolamento faz-nos perder o significado da existência, tira-nos a alegria do amor e faz-nos provar uma sensação opressiva de solidão nas sucessivas passagens cruciais da vida.”, explica o Papa.

O Santo Padre recorda, então, o modelo do Bom Samaritano (Lc 10,25-37) com sua “capacidade de parar e aproximar-se, a ternura com que trata as feridas do irmão que sofre” e lembra que “o primeiro cuidado de que necessitamos na doença é uma proximidade cheia de compaixão e ternura. Por isso, cuidar do doente significa, antes de mais nada, cuidar das suas relações, de todas as suas relações: com Deus, com os outros – familiares, amigos, profissionais de saúde –, com a criação, consigo mesmo.”

Somos chamados a adotar o olhar compassivo de Jesus. Cuidemos de quem sofre e está sozinho, porventura marginalizado e descartado. Com o amor mútuo que Cristo Senhor nos oferece na oração, especialmente na Eucaristia, tratemos das feridas da solidão e do isolamento. E deste modo cooperamos para contrastar a cultura do individualismo, da indiferença, do descarte e fazer crescer a cultura da ternura e da compaixão”, convida o Papa.

Finalmente, o Santo Padre enfatiza que “os doentes, os frágeis, os pobres estão no coração da Igreja e devem estar também no centro das nossas solicitudes humanas e cuidados pastorais.”. 

“Não nos esqueçamos disso. E confiemo-nos a Maria Santíssima, Saúde dos Enfermos, pedindo-Lhe que interceda por nós e nos ajude a ser artífices de proximidade e de relações fraternas”, conclui.

Fonte: Dicastério para Desenvolvimento Humano Integral

Conteúdo Relacionado