Comissão Pastoral da Terra lança relatório “Conflitos no Campo – Brasil 2021”

Apresentação do Relatório na sede da CNBB em Brasília – DF. Fotos: Ascom CNBB.

Amazônia Legal concentra 80% das mortes por conflitos no campo no Brasil, segundo relatório da CPT

A Comissão Pastoral da Terra (CPT), organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lançou na manhã desta segunda-feira, 18 de abril, o relatório “Conflitos no Campo – Brasil 2021” na sede da CNBB em Brasília. Em 2021, foram registrados 1.768 conflitos no campo, envolvendo questões ligadas à terra, à água e aos direitos trabalhistas, um total de 897.335,00 pessoas. O número de conflitos ano passado diminuiu 13,92% em comparação à 2020 que registrou 2.054 ocorrências de acordo com o levantamento da CPT.

No lançamento da publicação, o bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, reforçou que o acesso à terra, assim como a uma informação real, em contraposição às falsas notícias, são condições essenciais numa verdadeira democracia. O secretário-geral da CNBB reforçou que ações como a da CPT estão em sintonia com o processo da 6ª Semana Social Brasileira, puxada pela CNBB, que tem como tema “Por terra, teto e trabalho”.

A mensagem que o arcebispo de Belo Horizonte e presidente da CNBB, dom Walmor Azevedo de Oliveira, enviou aos participantes também lembrou o desejo do Papa Francisco expresso no encontro com os movimentos sociais: “Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos” para reforçar a importância do lançamento sobre o relatório da CPT.

Seiscentos e quarenta e um (641) conflitos, quase metade dos conflitos por terra em 2021, o que corresponde à 49,49% dos dados registrados, segundo o relatório da CPT, ocorreram na Amazônia Legal, que também registrou 124 conflitos por água e 54 número de ocorrências trabalhistas envolvendo trabalho escravo. A liderança indígena do povo Guarani Kaiowá do Mato Grosso do Sul (MS), Jaque Kuña Aranduhá, afirmou que o relatório de conflitos no campo, organizado pela CPT, é uma ferramenta importante para a luta dos povos indígenas do Brasil.

Homenagem ao povo Yanomami
Dom José Ionilton, bispo referencial da CPT.

O relatório de 2021 faz uma homenagem à Terra Indígena Yanomami (TIY) um dos territórios que segundo a CPT vem sendo duramente afetados pelo garimpo ilegal. O levantamento aponta que em 2021 foram registradas 109 mortes em decorrência de conflitos, o que significa um aumento de 1.110%. Do total, 101 mortes foram registradas no estado de Roraima. Todas elas de indígenas Yanomami e todas causadas por ação de garimpeiros.

 O bispo da prelazia de Itacoatiara (AM), referencial da CNBB para a CPT, dom José Ionilton Lisboa de Oliveira chamou a atenção para o aumento dos números levando-se em consideração a série histórica dos dados desde 2012, quando foram registrados 1.396 conflitos, em oposição aos 1768 conflitos do ano passado.  O bispo reforçou que a organização deste relatório é uma forma de a Igreja no Brasil se colocar do lado das famílias vítimas da violência no campo para protegê-las, encorajá-las e cuidá-las.

Conheça, abaixo, a série histórica organizada pelo Centro de Documentação da CPT desde 2012.

O relatório pode ser adquirido na loja virtual da CPT neste link: www.cptnacional.org.br 

Fonte: CNBB